"OLHAR" O ESPAÇO URBANO: ALTERNATIVAS PARA COMPREENDER OS USOS DA CIDADE MÉDIA DE SOBRAL

  • Nilson Almino Freitas Uva/ Sobral - Ce
Palavras-chave: Espaço urbano, Cidade média, Sobral

Resumo

A intenção deste artigo é fornecer ao leitor uma alternativa para o “olhar” rígido, frio e metódico geralmente expresso nos textos científicos referentes a compreensão do espaço urbano. A ideia não é abandonar o rigor científico, mas sim acrescentar a ele uma dimensão emocional. Esta dimensão pode ser vista como inerente ao “olhar” do “flâneur” típico, assim como na fala do “narrador” que fornece ao pesquisador a possibilidade de se perder e se envolver com as nuances, singularidades, detalhes tanto dos usos e das práticas dos habitantes da cidade, quando do que representa cada fachada, janela, porta, varanda, gramado ou bancos das edificações e espaços urbanos. Desta forma o pesquisador pode atingir novas possibilidades cognitivas, rompendo com o simulacro estreito e fechado de um modelo urbano racionalizado e disciplinado como propõe o modelo tecno-burocrático elaborado por um determinado tipo de pensamento cientificizante. A pretensão deste método é entender a cidade em seu coro polifônico e polimórfico, no qual vários itinerários visuais, sonoros e materiais se cruzam, compondo infinitas linhas de misturas imprevisíveis.

 

Abstract

In this paper we will proceed in presenting a new way of reading the city, the traditional urban analyses based on the city plan leaves out it's symbolic aspects and the way spaces are used and lived. Our concern is to offer new methodological instrument to create this polyphonic comprehension.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilson Almino Freitas, Uva/ Sobral - Ce
Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará, Brasil(2005)
Professor Adjunto I da Universidade Estadual Vale do Acaraú , Brasil
Como Citar
FREITAS, N. A. "OLHAR" O ESPAÇO URBANO: ALTERNATIVAS PARA COMPREENDER OS USOS DA CIDADE MÉDIA DE SOBRAL. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), v. 2, n. 1, 11.
Seção
Artigos