DESIGUALDADE SOCIOAMBIENTAL E A CAPACIDADE DE LIDAR COM A PANDEMIA DE COVID-19: AVALIAÇÃO DA GEOESPACIALIDADE DA VULNERABILIDADE EM FORTALEZA-CE

Autores

  • João Luís Sampaio Olímpio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFCE
  • Caroline Vitor Loureiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE
  • Anderson Rodrigues da Costa Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Rodolfo Anderson Damasceno Góis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

DOI:

https://doi.org/10.35701/rcgs.v22n2.695

Palavras-chave:

COVID-19, Desigualdade Socioeconômica, Vulnerabilidade, Pandemia

Resumo

A pandemia de COVID-19 surge como o maior desafio do século XXI para a sociedade global. As condições socioeconômicas mais restritivas podem contribuir para disseminação e aumento da mortalidade da doença. Este contexto é bastante presente em países em desenvolvimento, como o Brasil. Neste artigo investigamos a desigualdade socioambiental do município de Fortaleza, capital do estado do Ceará, e os casos reportados de acometidos e de óbitos pela COVID-19. Selecionamos indicadores sociais, econômicos, de infraestrutura urbana e habitacional dos bairros da cidade e os relacionamos com os registros da 23ª semana epidemiológica. Representamos espacialmente estes dados e analisamos as inovações legislativas para enfrentamento à pandemia. Por fim, avaliamos a capacidade de adaptação e de lidar dos grupos populacionais e da gestão pública diante das problemáticas decorrentes do novo coronavírus. Considerando a semana epidemiológica selecionada, encontramos uma relação entre as condições de vulnerabilidade e os óbitos. Os grupos mais vulneráveis são mais propensos à morte por COVID-19. Este artigo pode contribuir com as decisões estratégicas que visam o controle da doença durante as próximas semanas e subsidiar a gestão urbana municipal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Luís Sampaio Olímpio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFCE

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Ceará-UFC. Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE, campus Quixadá.

Caroline Vitor Loureiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Ceará-UFC. Prof.ª do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE, campus Quixadá.

Anderson Rodrigues da Costa, Universidade Federal do Ceará - UFC

Licenciado em Geografia pela Universidade Federal do Ceará-UFC. Bacharelando em Direito pela Universidade Federal do Ceará-UFC. 

Rodolfo Anderson Damasceno Góis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Ceará-UFC. Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE, campus Crato.

Downloads

Publicado

2020-09-05

Como Citar

SAMPAIO OLÍMPIO, J. L.; VITOR LOUREIRO, C.; RODRIGUES DA COSTA, A. .; DAMASCENO GÓIS, R. A. . DESIGUALDADE SOCIOAMBIENTAL E A CAPACIDADE DE LIDAR COM A PANDEMIA DE COVID-19: AVALIAÇÃO DA GEOESPACIALIDADE DA VULNERABILIDADE EM FORTALEZA-CE. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), [S. l.], v. 22, n. 2, p. 70–89, 2020. DOI: 10.35701/rcgs.v22n2.695. Disponível em: //rcgs.uvanet.br/index.php/RCGS/article/view/695. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Seção Especial: Reflexões científicas e sociopolíticas sobre a COVID-19